Aumento da alíquota de ICMS não resolve problema e RS precisa reduzir suas despesas, diz FIERGS
Data da notícia: 28/09/2015 às 08:15

O aumento de 17% para 18% na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para 2016, aprovado pela Assembleia Legislativa gaúcha na madrugada desta quarta-feira (23), representará um acréscimo máximo de R$ 1,68 bilhão na arrecadação do Estado. Contudo, este valor será quase que totalmente consumido em novas despesas no próximo ano, especialmente de pessoal e encargos. A conclusão está em um levantamento realizado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), por meio de sua Unidade de Estudos Econômicos. “O que o governo fará com a receita a mais de impostos? Esta é a questão. Se gastar tudo mês a mês, não terá recursos para os investimentos necessários. Então, vamos travar a economia gaúcha, com desemprego, prejuízos sociais e a redução da competitividade das empresas. O Rio Grande do Sul será um dos Estados mais caros para produzir e viver. Provavelmente, vai reduzir a atratividade de novos empreendimentos”, prevê o presidente da FIERGS, Heitor José Müller.

 

O trabalho realizado pela FIERGS aponta que, segundo análises do próprio governo do Estado, os aumentos na folha de pagamentos da segurança pública (concedidos no governo Tarso Genro) e o crescimento vegetativo das despesas de pessoal (cerca de 3% a.a.) farão com que essas despesas aumentem aproximadamente R$ 1,3 bilhão em 2016. “Desta forma, cerca de 77% da elevação de ICMS será alocada nessas despesas. Essa foi a tônica dos últimos anos no Rio Grande do Sul, onde o governo sempre utiliza aumentos de impostos para pagar as despesas atuais e o ‘espaço extra’ para despesas futuras”, comenta Müller.

 

A experiência recente do próprio Rio Grande do Sul, de acordo com o industrial, serve como alerta, pois mostra que ajustes via elevação de receita são apenas acomodação de novas despesas. “A aprovação do aumento de ICMS por tempo determinado é um cenário pior – considerando exclusivamente as contas do Estado. Isso porque tal qual ocorreu no biênio 2005-2006, o crescimento das despesas acompanhará a elevação de arrecadação. Mas esta sofrerá uma queda assim que as alíquotas forem reduzidas em 2019”, observa. Para Heitor José Müller, caso não sejam tomadas medidas para baixar as despesas a níveis menores que a arrecadação até 2018, o Estado poderá enfrentar uma crise ainda maior a partir de 2019.

 

Por fim, o presidente da FIERGS diz que a decisão tomada pelos deputados estaduais está na contramão da vontade dos gaúchos. “Infelizmente, o resultado da votação contrariou 91% da população, que conforme pesquisa da FIERGS está contra a elevação do ICMS. O Rio Grande do Sul, que já sofre os prejuízos da situação na economia nacional, agora terá o cenário estadual mais crítico. Portanto, sofremos duas vezes: o ajuste das contas nacionais se soma às dificuldades do Estado”, conclui.

 

Fonte: FIERGS
Comentários

Deixe seu comentário:


Veja mais...
Reunião de associados e Workshop de oportunidades
Estande coletivo une associados e oportunidades...
Rodada de Negócios Mercopar
Imersão ao Tecnopuc Porto Alegre
Reunião de negócios no polo petroquímico de Tri...
Diretoria participa de importante decisões de d...
Área Restrita
Associados
Pirâmide Engenharia
Acesse Mercados
MKS
Anúncios
Nos Encontre
TECNOPUC – Viamão/RS
Av. Senador Salgado Filho, 7000
Prédio 87 – Bloco A – Sala 107
Jardim Krahe - CEP 94440-000
Viamão/RS – Brasil

Telefone: +55 51 3493 3726
Skype: rsoleoegas1
Twitter: @RSoleoegas
Facebook: rsoleoegas
Site: www.rsoleoegas.com.br

RS Óleo & Gás
A RS ÓLEO & GÁS é uma Associação fundada com 42 empresas do setor industrial metal, mecânico e energético do Rio Grande do Sul. Criada no ano de 2006, foi motivada pelo Projeto Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás (CPP&G RS) desenvolvido pelo SEBRAE-RS em parceria com a REFAP / Petrobras.

Gerando Oportunidades de Negócios aos seus Associados



Cadastre seu e-mail para receber as novidades da RS Óleo & Gás!