Prepare-se para o boom no mercado energético
Para Oscar de Azevedo, o futuro reserva oportunidades para as empresas que atuam nos segmentos de petróleo, gás e energias renováveis. Resta saber quando o “boom” acontecerá
Data da notícia: 22/02/2017 às 18:29

Oscar de Azevedo está otimista. Como presidente do Instituto Senai de Petróleo, Gás e Energia do RS, ele detém informações suficientes para afirmar que o mercado de energia, após um momento de declínio, está em vias de se estabilizar. E pode até passar por um novo “boom”. A questão é que, até agora, ninguém sabe quando este boom vai ocorrer. “Esta é a pergunta de um milhão de dólares”, garante ele.

Enquanto a bonança não vem, Azevedo recomenda que as empresas se preparem para aproveitar as oportunidades que despontam nesses segmentos. Para isso,  recomenda uma série de iniciativas – desde a diversificação de clientes e a formação de parcerias para diminuição de custos até a participação em entidades como a RS Óleo, Gás & Energia.

Essas e outras recomendações foram abordadas durante a palestra “Rumos dos Segmentos de Petróleo, Gás e Energias Renováveis”, realizada durante a edição de fevereiro do Workshop de Oportunidades. Promovido pela RS Óleo, Gás & Energia em parceria com o Sebrae/RS, o evento lotou novamente o auditório do Tecnopuc na noite desta segunda-feira (20/fev), trazendo insights valiosos para quem atua nas diferentes cadeias da indústria energética.

Para o presidente da Associação, Marcelo Leal, as empresas precisam se reestruturar enquanto aguardam a estabilização do mercado. A informação, neste caso, possibilita novas perspectivas e parcerias nos negócios. “O empresariado precisa se informar para cumprir as próprias metas e essas novas demandas que virão”, garante.

Formado em Engenharia Mecânica, Azevedo vem de uma família com tradição empreendedora nas indústrias de Caxias do Sul. É empresário e conselheiro de empresas que atuam no mercado de óleo, gás e energia. Além disso, atua na coordenação do Comitê de Petróleo, Gás e Energia da Fiergs – e ainda representa a entidade no Conselho de Administração da ONIP e no Centro de Excelência de EPC da Petrobras. Confira, nesta entrevista, algumas de suas ideias para as empresas que buscam oportunidades nesse mercado:

Você fala sobre os rumos de três segmentos diferentes – Petróleo, Gás e Energias Renováveis. Há algum contexto que se aplique a todos eles?
Na verdade, o que eu quero demonstrar é que não existem diferenças fundamentais entre esses três segmentos para quem atua como fornecedor. As características desses mercados são muito similares e demandam os mesmos tipos de atributos. A empresa que desenvolve sistemas de automação para o segmento de petróleo e gás, por exemplo, pode tranquilamente buscar oportunidades no mercado de energia eólica ou solar. Em todos esses mercados, o que se exige do fornecedor é o mesmo conjunto de atributos: escala, não-dependência, capacidade exportadora, etc.

Historicamente, porém, as empresas sempre fizeram uma distinção muito clara entre óleo e gás, de um lado, e energias renováveis de outro.
Isso está muito ligado a nossas experiências do passado, de uma época em que o mercado de óleo e gás era limitado pelo monopólio da Petrobras. Hoje, a situação mudou. O que eu quero mostrar é que existem similaridades para quem busca atuar nesses segmentos. . Temos um grande mercado de energia, que deve ser encarado em uma economia de escala. No caso das empresas fornecedoras da Petrobras, se você olhar, as que mais prosperaram e sobreviveram foram aquelas que souberam diversificar seus negócios e evitar uma dependência excessiva em relação à estatal. E este é outro tema importante que costumo tratar: a não-dependência.

Quanto aos “rumos dos segmentos de petróleo, gás e energias renováveis” – quais são eles?
Eu acredito que o futuro vai ser muito bom. O surgimento de startups que se concentram em desenvolver sistemas para evitar a perda de petróleo, por exemplo, estão aquecendo o Rio Grande do Sul. Uma das minhas recomendações, aliás, é que as empresas devem se preparar para o boom que vai acontecer neste mercado. A pergunta que vale um milhão de dólares é: a partir de quando esse boom vai acontecer? Isso nós ainda não sabemos. De qualquer maneira, há várias questões importantes em discussão neste exato momento que merecem a atenção de quem atua nesses segmentos. No mercado de óleo e gás, é claro que tudo está muito atrelado ao preço do barril e à nova configuração da Petrobras. Mas é bom lembrar que outras companhias estão começando a tomar corpo – e elas representam um novo mercado para quem atua nesses segmentos.

Sua palestra também traz recomendações para as empresas interessadas em atuar e prosperar nos segmentos de petróleo, gás e energias renováveis. Você poderia compartilhar uma dessas recomendações?
A primeira recomendação que faço é a de que saibamos considerar o mercado de energia como um todo, e não apenas pelos seus segmentos. É um mercado grande e que consome determinados tipos de equipamentos, bens e serviços. A empresa que oferece um produto para um destes segmentos certamente tem condições de atender outros. E aí chegamos a outra recomendação, que é o princípio da não-dependência. Para prosperar nesse mercado e ganhar escala, é muito importante que as empresas saibam diversificar seus negócios – ainda que, muitas vezes, isso signifique atender clientes em outros mercados, como o automotivo. Fora isso, há questões que ajudam a dar corpo a qualquer tipo de negócio, tais como a exportação. Eu, particularmente, acredito muito na atuação em grupo e na força do associativismo, por meio de entidades como a RS Óleo, Gás & Energia. Com o fomento da cultura da inovação e dos relacionamentos, os associados só crescem.

E no plano local, quais são as questões que merecem atenção?
Há muitas coisas acontecendo que podem beneficiar as empresas locais. Neste momento, por exemplo, o APL Metalmecânico e Automotivo da Serra Gaúcha está em vias de lançar o projeto Plataforma Digital Integradora, que vai facilitar a comunicação entre quem tem demandas não atendidas e fornecedores com capacidade ociosa no Estado, permitindo localizar empresas que possam atender essas demandas de forma colaborativa. Outra oportunidade está no Programa Gaúcho de Incentivo à Geração e Utilização de Biometano (RS-Gás), que promete alinhar as universidades, o governo e a própria Sulgás no esforço para finalmente ativar esse mercado no Rio Grande do Sul. Há muitas coisas que podem ser feitas.

 

Por Andreas Müller e Fernanda La Cruz | República - Agência de Conteúdo

Mais fotos da Notícia
Comentários

Deixe seu comentário:


Veja mais...
Reunião de associados e Workshop de oportunidades
Estande coletivo une associados e oportunidades...
Rodada de Negócios Mercopar
Imersão ao Tecnopuc Porto Alegre
Reunião de negócios no polo petroquímico de Tri...
Diretoria participa de importante decisões de d...
Área Restrita
Associados
Pirâmide Engenharia
Navvi
Leuck
Anúncios
Nos Encontre
TECNOPUC – Viamão/RS
Av. Senador Salgado Filho, 7000
Prédio 87 – Bloco A – Sala 107
Jardim Krahe - CEP 94440-000
Viamão/RS – Brasil

Telefone: +55 51 3493 3726
Skype: rsoleoegas1
Twitter: @RSoleoegas
Facebook: rsoleoegas
Site: www.rsoleoegas.com.br

RS Óleo & Gás
A RS ÓLEO & GÁS é uma Associação fundada com 42 empresas do setor industrial metal, mecânico e energético do Rio Grande do Sul. Criada no ano de 2006, foi motivada pelo Projeto Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás (CPP&G RS) desenvolvido pelo SEBRAE-RS em parceria com a REFAP / Petrobras.

Gerando Oportunidades de Negócios aos seus Associados



Cadastre seu e-mail para receber as novidades da RS Óleo & Gás!