Brasil não corre risco de desabastecimento de energia
Garante Ministério
Data da notícia: 26/11/2015 às 14:13

A população brasileira não corre riscos de desabastecimento crônico de energia, como em 2002, apesar da forte queda das chuvas nas Regiões Sudeste e Nordeste. É o que garantiu o secretário-executivo do Ministério das Minas e Energia, Luiz Eduardo Barata, durante audiência pública nesta quarta-feira (25) pela Comissão de Serviços de Infraestrutura.

De acordo com o Comitê Nacional de Política Energética, que mede mensalmente o risco de desabastecimento, a possibilidade de crise no fornecimento à Região Nordeste em 2016 é zero e, para a Região Sudeste, o índice é de apenas 1,2%.

— Portanto, bem abaixo do índice de 5%, que o comitê considera inicialmente de preocupação de risco nesse tipo de análise — destacou Barata.

O secretário-executivo admitiu que a escassez de chuvas de fato tem provocado fortes quedas nos reservatórios, principalmente nas Regiões Sudeste e Nordeste. No Sudeste, o índice de armazenamento está hoje em 27%, no Norte, em 20%, e no Nordeste, em apenas 5,4%.

—Ainda assim, o risco para essa região é zero, pois ela é suprida também por um enorme parque eólico, um conjunto de usinas térmicas e pela integração com as Regiões Sudeste e Norte — disse o técnico.

Matriz hidrelétrica

Barata lembrou que a matriz hidrelétrica continua sendo a prioritária em nosso país, com as térmicas vindo em segundo lugar. Segundo ele, há ainda um cenário recente de investimentos na fonte eólica superando a biomassa. Ele informou que o país explora cerca de 34% do seu potencial hidrelétrico, com investimentos nos próximos 15 anos que deverão possibilitar a exploração de outros 33% desse potencial.

— Os 33% restantes não são passíveis de exploração, devido a restrições sociais e ambientais — informou Barata.

Nos próximos 15 anos, disse ele, o país deverá estar explorando em toda sua potencialidade sua principal matriz energética, a hidrelétrica. Isso cria um cenário em que se torna premente o olhar para outras fontes, como gás, carvão, energia nuclear e as fontes limpas, como a solar e a eólica.

Em termos de energia nuclear, Barata lembrou a enorme eficiência das usinas de Angra dos Reis. Ele informou que o país necessitará de pelo menos quatro novas usinas até 2030 e outras quatro até 2040.

O secretário-executivo elogiou ainda o Senado pela aprovação da Medida Provisória (MP) 688/2015, que compensa as hidrelétricas pelo déficit na geração de energia em virtude de escassez de chuvas. O Ministério avalia que esse novo cenário possibilitará investimentos da ordem de R$ 13 bilhões no leilão previsto para fevereiro.

Crítica ao intervencionismo

Também participou da audiência o presidente da Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa (Abragel), Mozart Siqueira. Ele criticou a prioridade dada pelo governo à construção da usina de Belo Monte, afirmando que o país deveria hoje explorar melhor seu enorme potencial na energia eólica.

Ele ainda defendeu a adoção de políticas públicas restritivas ao uso massivo de chuveiro elétrico, e criticou fortemente o governo também pelo que considera uma gestão "centralizada e intervencionista" no setor nos últimos anos. Em sua avaliação tal modelo, que levou a uma artificial redução da tarifa em 2012, só estaria sendo corrigido a partir deste ano. Nesse esforço, estaria a aprovação da MP 688, entre outras alterações de rumo.

Para o presidente da Abragel, parte da ausência de risco de desabastecimento também estaria na forte crise econômica, que levou em 2015 a quedas de consumo nas Regiões Sul (6%) e Sudeste (1%) e a um crescimento bem menor no Nordeste (de 8% para 1%).

Outro participante da audiência, João Carlos Meirelles, secretário de Energia e Mineração do Estado de São Paulo, destacou os investimentos feitos em seu estado em parceria com a iniciativa privada, incluindo a exploração vinculada ao gás proveniente da Bolívia e ao pré-sal.

Falhas de planejamento

Flexa Ribeiro (PSDB-PA) criticou o governo pelo que considera falhas de planejamento e gestão na construção da usina de Belo Monte. Ele condenou a condução do setor de energia durante o primeiro mandato de Dilma Rousseff.

— Na prática, ela desestruturou, quebrou esse setor e agora está mandando a população pagar a conta — afirmou.

Lasier Martins (PDT-RS) também criticou as medidas tomadas por Dilma e questionou os investimentos em energia nuclear, num momento em que países como a Alemanha estão banindo essa modalidade.

Já Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) e Hélio José (PSD-DF) pediram mais investimentos em novas fontes renováveis, principalmente a eólica e a solar.

— O Nordeste só não corre risco por enquanto por causa do uso das termelétricas, que são caras. A energia eólica é que resolve estruturalmente esse problema — destacou Valadares.

Fonte: Agência Senado

Fonte Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Comentários

Deixe seu comentário:


Veja mais...
Reunião de associados e Workshop de oportunidades
Estande coletivo une associados e oportunidades...
Rodada de Negócios Mercopar
Imersão ao Tecnopuc Porto Alegre
Reunião de negócios no polo petroquímico de Tri...
Diretoria participa de importante decisões de d...
Área Restrita
Associados
Hinndelet
Leuck
Laboratório Quimioambiental
Anúncios
Nos Encontre
TECNOPUC – Viamão/RS
Av. Senador Salgado Filho, 7000
Prédio 87 – Bloco A – Sala 107
Jardim Krahe - CEP 94440-000
Viamão/RS – Brasil

Telefone: +55 51 3493 3726
Skype: rsoleoegas1
Twitter: @RSoleoegas
Facebook: rsoleoegas
Site: www.rsoleoegas.com.br

RS Óleo & Gás
A RS ÓLEO & GÁS é uma Associação fundada com 42 empresas do setor industrial metal, mecânico e energético do Rio Grande do Sul. Criada no ano de 2006, foi motivada pelo Projeto Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás (CPP&G RS) desenvolvido pelo SEBRAE-RS em parceria com a REFAP / Petrobras.

Gerando Oportunidades de Negócios aos seus Associados



Cadastre seu e-mail para receber as novidades da RS Óleo & Gás!