Financiamento para o onshore pode contar com nova modalidade
ANP deve colocar em resolução proposta para viabilizar o chamado reserve base lending
Data da notícia: 28/06/2018 às 11:45

A ANP quer viabilizar uma nova alternativa de financiamento para operadoras de campos onshore em produção. A agência deve inserir em uma resolução sobre cessão de contratos, que entrará em consulta pública entre o fim de julho e o início de agosto, as regras que vão possibilitar às operadoras tomarem os recursos com bancos dando as reservas com garantia.

Hoje essa modalidade – conhecida como reserve base lending – não é viável porque se o tomador deixar de pagar o empréstimo e o banco consequentemente executar a garantia, a licença ambiental do empreendimento não pode ser transferida para um operador provisório a ser contratado pela instituição financeira para gerenciar o projeto até sua venda.

De acordo com o coordenador de Áreas Terrestres da ANP, José Fernandes de Freitas, a viabilização dessa nova linha de financiamento é um dos itens previstos pelo Reate, programa para revitalizar a indústria onshore no Brasil. Essa alternativa de funding é importante para destravar este segmento da indústria.

O desenvolvimento do onshore brasileiro hoje está condicionado ao sucesso do plano de desinvestimentos da Petrobras. Tradicionalmente, o esforço exploratório desse segmento se desenvolve financiado pelo fluxo de caixa das atividades de produção. No Brasil, no entanto, isso não ocorre porque o onshore é praticamente todo Petrobras, cujo foco são os investimentos em águas ultraprofundas.

Esse ciclo, na avaliação do executivo, será rompido com a venda de ativos da Petrobras. Ele disse que a agência se aproximou da Petrobras para ajudar nos possíveis problemas que podem aparecer durante o processo.

Outro entrave ao onshore é o fim do prazo dos contratos de concessão dos campos que estão concedidos à Petrobras. Como a maior parte é oriunda da rodada zero, os contratos estão terminando, o que gera receio por parte dos potenciais compradores quanto à sua renovação.

“A ampliação dos prazos contratuais não é um bicho de sete cabeças desde que o novo operador apresente um plano de desenvolvimento. Estamos trabalhando para que isso (a ampliação) seja transformado em resolução da ANP”, afirmou Freitas.

Nesta sexta-feira (29/6), a ANP realiza audiência pública para construção da proposta de resolução de redução de royalties em produção incremental em campos maduros. Esse é mais um item que pode ajudar a destravar os investimentos onshore no país, na avaliação de Freitas.

A EPE estima em 1,5 bilhão de boe a 5 bilhões de boe o volume recuperável de petróleo e gás no onshore brasileiro. O país fechou 2017 com reservas 1P de 597 milhões de barris e cinco descobertas comunicadas à ANP. A produção está na casa dos 130 mil barris/dia, um declínio de cerca de 40% em relação a 2000, quando a produção registrou 210 mil barris/dia.

Por  Última atualização em 27/06/2018

Fonte: Brasil energia Petróleo

Comentários

Deixe seu comentário:


Veja mais...
Reunião de associados e Workshop de oportunidades
Estande coletivo une associados e oportunidades...
Rodada de Negócios Mercopar
Imersão ao Tecnopuc Porto Alegre
Reunião de negócios no polo petroquímico de Tri...
Diretoria participa de importante decisões de d...
Área Restrita
Associados
BFM Corte e Dobra Montagens
Leuck
Navvi
Anúncios
Nos Encontre
TECNOPUC – Viamão/RS
Av. Senador Salgado Filho, 7000
Prédio 87 – Bloco A – Sala 107
Jardim Krahe - CEP 94440-000
Viamão/RS – Brasil

Telefone: +55 51 3493 3726
Skype: rsoleoegas1
Twitter: @RSoleoegas
Facebook: rsoleoegas
Site: www.rsoleoegas.com.br

RS Óleo & Gás
A RS ÓLEO & GÁS é uma Associação fundada com 42 empresas do setor industrial metal, mecânico e energético do Rio Grande do Sul. Criada no ano de 2006, foi motivada pelo Projeto Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás (CPP&G RS) desenvolvido pelo SEBRAE-RS em parceria com a REFAP / Petrobras.

Gerando Oportunidades de Negócios aos seus Associados



Cadastre seu e-mail para receber as novidades da RS Óleo & Gás!