Lá vem o waiver para FPSOs
Consórcio de Libra elabora pedido de waiver e lança nova licitação para o afretamento de FPSO, desta vez sem definir percentual de conteúdo nacional
Data da notícia: 02/09/2016 às 10:36

[31.08.2016] 10h23m / Por Cláudia Siqueira e Felipe Maciel

A discussão sobre o conteúdo nacional no projeto de Libra, a primeira área de partilha da produção do país, vai cair no colo da ANP a partir deste mês. Após duas tentativas frustradas de contratação do primeiro FPSO definitivo para a área, o consórcio formado por Petrobras, Shell, Total, CNOCC, CNPC e PPSA decidiu pelo pedido de waiver para a unidade de produção, requerendo revisão dos percentuais estabelecidos no contrato fechado em 2013.

O atual contrato de Libra prevê índice de conteúdo local médio de 75% para módulos de produção, com primeiro óleo até 2021. Outros 75% são esperados somente para o casco da unidade com produção até o mesmo ano.

A sustentação do pedido foi construída pelo consórcio com base nos resultados das duas cotações de preço para afretamento de um FPSO com capacidade para produzir 180 mil b/d de óleo e 12 milhões de m3/d de gás natural. Nas duas tentativas, os preços vieram muito acima das expectativas, ultrapassando taxa diária de US$ 1 milhão, o que acabou inviabilizando o desfecho da concorrência.

A avaliação interna é que a conversão do casco no Brasil torna o projeto inviável do ponto de vista econômico, além de agregar risco de não cumprimento. Essa preocupação não é descabida, sobretudo no atual momento da indústria do petróleo.

Quem acompanha a dificuldade que a Petrobras enfrenta para concluir a conversão dos cascos dos FPSOs da cessão onerosa e também a construção dos cascos dos FPSOs replicantes sabe bem o impacto que os cascos podem ter nos projetos. Recentemente, o CEO da Galp, Carlos da Silva, comentou que dificuldades financeiras enfrentadas pela Ecovix são o ponto mais crítico na construção dos FPSOs replicantes e disse que é considerada, inclusive, a possibilidade de relicitar obras, em especial da P-71, o projeto mais preocupante.

O Ecovix foi contratado para construir os cascos das plataformas P-66, P-67, P-68, P-69, P-70 e P-71, das quais a P-69 teve o trabalho transferido para a China e há a possibilidade de a P-70 e a P-71 também saírem da carteira do estaleiro.

Em paralelo ao pedido de waiver, o consórcio de Libra se prepara para voltar ao mercado a fim de tentar assegurar o afretamento do FPSO, que marcará a implantação do primeiro sistema definitivo do projeto. Ao contrário das tentativas anteriores, desta vez o edital não irá determinar o percentual de conteúdo nacional para a conversão da unidade de produção, ficando a cargo das empresas proponentes ofertar o percentual que julguem viável de cumprimento. As demais condições contratuais previstas no edital original serão mantidas, inclusive o prazo de entrada em operação da unidade, estimado para 2020.

O novo edital será lançado em setembro e serão convocadas todas as empresas que disputaram a primeira licitação  − SBM Offshore, Modec, BW Offshore, Bluewater, Queiroz Galvão Naval e Bumi Armada. Como as empresas terão de refazer suas propostas, a entrega dos primeiros envelopes será marcada para novembro e a meta do consórcio de Libra é tentar fechar a concorrência até meados de 2017.

Mais um FPSO
Dependendo do preço ofertado na nova licitação e do posicionamento da ANP em relação ao pedido de waiver, o consórcio poderá contratar um segundo FPSO na mesma concorrência. A possibilidade vem sendo discutida pelo grupo, como forma de antecipar a produção e garantir condições econômicas mais favoráveis.

A proposta, ainda em análise interna, contemplaria o afretamento de duas unidades ao primeiro colocado. Se aprovado, o segundo FPSO teria as mesmas características do primeiro.

Até o fechamento desta edição, os proponentes ainda não haviam sido comunicados da decisão da Petrobras de cancelar a concorrência e abrir nova licitação, sem a exigência de percentual fixo de conteúdo nacional. Na licitação em andamento há um ano, haviam sido desqualificados a SBM Offshore, BW Offshore e o consórcio Bluewater/ Queiroz Galvão Naval, sendo mantida apenas a Modec.

 

Clipping de estratégias de mercado da diretoria da RS Óleo,Gás & Energia

Fonte:  http://brasilenergiaog.editorabrasilenergia.com © Editora Brasil Energia

 Foto: internet/divulgação P-74 chega ao EBR ( Wilson Sons )

 

Comentários

Deixe seu comentário:


Veja mais...
Reunião de associados e Workshop de oportunidades
Estande coletivo une associados e oportunidades...
Rodada de Negócios Mercopar
Imersão ao Tecnopuc Porto Alegre
Reunião de negócios no polo petroquímico de Tri...
Diretoria participa de importante decisões de d...
Área Restrita
Associados
Pirâmide Engenharia
Navvi
Hinndelet
Anúncios
Nos Encontre
TECNOPUC – Viamão/RS
Av. Senador Salgado Filho, 7000
Prédio 87 – Bloco A – Sala 107
Jardim Krahe - CEP 94440-000
Viamão/RS – Brasil

Telefone: +55 51 3493 3726
Skype: rsoleoegas1
Twitter: @RSoleoegas
Facebook: rsoleoegas
Site: www.rsoleoegas.com.br

RS Óleo & Gás
A RS ÓLEO & GÁS é uma Associação fundada com 42 empresas do setor industrial metal, mecânico e energético do Rio Grande do Sul. Criada no ano de 2006, foi motivada pelo Projeto Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás (CPP&G RS) desenvolvido pelo SEBRAE-RS em parceria com a REFAP / Petrobras.

Gerando Oportunidades de Negócios aos seus Associados



Cadastre seu e-mail para receber as novidades da RS Óleo & Gás!